sábado, 19 de dezembro de 2009

POLÍTICAS DE ACESSIBILIDADE NA UFPB

Veja o que foi escrito na apresentação do folheto informativo sobre o Seminário, apesar de já ter acontecido, vale a pena tomar ciência. Contou com o apoio do Setor Braille da Biblioteca Central da UFPB. Ações como essa fazem toda a diferença quando se trata de incluir as pessoas com deficiência na academia. Agradeço a coordenadora Ariluci Goes do curso de Biblioteconomia da UFC Cariri por ter informado sobre o evento.Inserido no eixo da capacitação previsto pelo Programa Incluir, o Seminário mobilizará estudantes, professores e servidores da UFPB, com o fim de avaliar as iniciativas de acessibilidade e inclusão que vêm sendo efetivadas pela universidade, bem como discutir, elaborar e implementar ações e programas consistentes de acessibilidade, aglutinando os diversos serviços existentes, buscando financiamentos, otimizando o pleno atendimento dos estudantes com deficiência da UFPB.



- Mapear os problemas de acessibilidade vividos pelos estudantes, servidores e docentes da UFPB, no campus 1 de João Pessoa, tais como barreiras arquitetônicas, dificuldades de acesso a acervos e bancos de dados;
- Refletir, partindo-se da perspectiva dos usuários e da equipe técnica, acerca da qualidade de acessibilidade de serviços como o portal da UFPB e o acervo online da Biblioteca Central, entre outros;
- Avaliar o atendimento às pessoas com deficiência em setores como o Nedesp, Comporta Especial, setor braille da BC e outros.
- Conhecer experiências realizadas e/ou em andamento, pela pesquisa, a extensão e o ensino, contemplando a acessibilidade na UFPB;
- Fomentar a criação de grupos de trabalho, visando a ampliação de projetos de pesquisa e extensão, com foco na inclusão e acessibilidade na UFPB. Esses são os objetivos centrais envolvidos na realização do seminário.
Finalmente, a capacitação dos três segmentos universitários permite uma avaliação das estratégias já implementadas, oportuniza o mapeamento dos problemas mais prementes quanto à acessibilidade na UFPB, inaugura um processo de aglutinação das várias instâncias universitárias em favor da consolidação da sua política de inclusão e acessibilidade a longo prazo.

"ACESSIBILIDADE: DISCURSO E PRÁTICA NO COTIDIANO DAS BIBLIOTECAS"

O livro “Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das Bibliotecas” foi um presente da Bibliotecária Deise Tallarico Pupo, uma das organizadoras e escritora (ela tem três artigos bem interessantes). O primeiro “Acessibilidade e inclusão: o que isso tem a ver com os Bibliotecários?” o segundo “Cumprindo a legislação” e o terceiro “Laboratório de acessibilidade. A obra é editada pela UNICAMP (2008) e é um resultado do trabalho iniciado em 1998 pela Pupo, que preparou e encaminhou o projeto LABORATÓRIO DE ACESSIBILIDADE – LAB para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP dentro do programa de infra-estrutura.

Veja o que a Pupo diz em seu primeiro artigo: “Pessoa com deficiência não podem nem devem ser excluídas desse processo, pois podem ser grandes beneficiárias das inovações proporcionadas pelos meios de comunicação, e não nos compete, nem é lícito escolhermos quais seres humanos iremos receber ou atender em nosso ambiente de trabalho”.
Fico feliz por poder colaborar com essa linha de pesquisa, acreditando numa inclusão onde cada um pode interferir.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

CONTRASTE ENTRE LIVRO IMPRESSO EM TINTA E EM BRAILLE

Muita gente não entende qual a diferença do livro impresso em braille para o mesmo impresso em tinta, usado pelos videntes, pessoas que literalmente enxergam. Por esse motivo resolvi postar hoje...

Para ter uma idéia mais precisa, pedi ao Tafarel para segurar a Constituição Federal do Brasil. Pois bem vejam o livrinho. Tafarel só lê em braille, não se iludam, ele está com a Constituição em braille, ou seja apenas 16 volumes.

“Sem livros, os cegos não podem realmente aprender”.
Louis Braille

Refletindo sobre o custo do livro impresso em tinta e o custo em braille, a diferença de formato e os espaços para acondicionamento, a quantidade oferecida entre ambos nas bibliotecas e a porcentagem de pessoas com e sem deficiência verificamos a disparidade. Enquanto, por exemplo, um livro em tinta ocupa um espaço de 2cm numa estante, o mesmo livro em braille precisa de 30cm porque não existe tamanhos diferentes para as letras, como também, dependendo da quantidade de páginas, deverá ser dividido em volumes, tornando humanamente impossível uma Bíblia num só volume, quando em média dá 30 volumes em Braille.

Durante muito tempo se tentou produzir algo acessível para que as pessoas cegas tivessem acesso à leitura, mas não à escrita. O Sistema Braille não foi o único que buscou socializar a informação. A professora Regina Fátima, da Fundação Dorina Nowill para Cegos, num congresso em João Pessoa da ABEDEV fez um retrocesso na história. No século XIV foi encontrado um homem por nome Zain-Din AI Amidi, professor árabe, resumia e identificava os livros por meio com informações por meio de espirais de papel bem fino, que, depois de engomadas, os dobrava sobre os caracteres. Em 1517 Francisco Lucas (na Espanha) pensa um jogo de letras esculpidas em placas de madeira. Já na Alemanha no ano 1651, Jorge Harsdorfer reproduz um método clássico utilizando uma tábua recoberta com cera, sobre a qual se escreve com o apoio de um estilete. Maria Teresa von Paradis é alfabetizada por meio de alfinetes cravados em uma base, no século XVIII. Valentin Haüy funda a primeira escola para cegos no mundo no ano de 1784, entrando definitivamente na história. No ano de 1811, o militar Charles Barbier de Ia Serre cria um sistema de escrita para possibilita a comunicação durante a noite entre os soldados em campanha. Presumindo que se os soldados podem se comunicar sem o recurso da visão, então as pessoas cegas também o podem fazer. Barbier apresenta o seu intento numa visita que faz a escola de Haüy onde conhece o jovem de 15 anos chamado Louis Braille.
Impressionado com a idéia, Louis Braile adapta de doze pontos em alto relevo, para seis pontos e combina, ao invés de sílabas, letras, em 63 posições diferentes. Nasce o sistema de escrita que leva seu nome, para revolucionar a vida da pessoa cega no mundo. Em 1825 ele apresenta a primeira versão e em 1837 a versão final. Por ele podem ser representadas as letras do alfabeto, números e símbolos da aritmética, fonética, informática e musicologia.
Louis Braille nasceu em Coupvray, aldeia a leste de Paris em 1809 e no dia 6 de janeiro de 1852 morre de tuberculose. A inclusão na sociedade das pessoas cegas é influenciada pelo nível intelectual, o que permite o sistema aflorar por oferecer as mesmas condições de leitura do vidente.

sábado, 5 de dezembro de 2009

MOVIE LIBRARY - apresentará uma série de filmes relacionados com a Biblioteca

AGORA VOCÊ É UM HOMEM

Gênero: Comédia, Drama
Duração: 96 min.
Tipo: Longa-metragem / Colorido
Palavras-Chaves: Baseado em romance, Filme Independente, Nova York, mais... Produtora(s): Seven Arts Pictures

SINOPSE : Peter Kastner (Bernard Chanticleer) recebeu o seguinte conselho do pai: "Cresça". O velho falou tão sério que ainda colocou Kastner para fora de casa. Um jovem inexperiente, virgem, que trabalha na Biblioteca Pública de Nova York. Agosa solto pelo mundo, sem o controle rígido da mãe protetora, Kastner envolve-se com a atriz Barbara Darling, que parece odiar os homens, e também com a simpática dançarina de boate. Estréia de Coppola num filme comercial.

O ÚLTIMO PORTAL
Informações Técnicas
Título no Brasil: O Último Portal
Título Original: The Ninth Gate
País de Origem: EUA
Gênero: Suspense
Tempo de Duração: 127 minutos
Ano de Lançamento: 1999
Site Oficial: http://www.ninthgate.com
Elenco: Johnny Depp .... Dean Corso ....Frank Langella .... Boris Balkan

Sinopse: Dean Corso (Johnny Depp), um especialista em livros raros, é contratado por Boris Balkan (Frank Langella), um milionário de Nova York que tem uma imensa coleção sobre ocultismo e um especial interesse em "Os Nove Portais Para o Reino das Sombras", livro este que, reza a lenda, foi co-escrito pelo próprio Satanás e Aristide Torchia, um autor veneziano, e publicado em 1666. O livro é ilustrado com nove gravuras que, quando corretamente interpretadas e combinadas com o texto original, teriam o poder de invocar o Diabo e abrir as portas para o mundo das sombras. Torchia pagou caro por sua transgressão, pois a Santa Inquisição o queimou em uma estaca. Existem apenas três cópias e Andrew Telfer vendeu a sua para Balkan dias antes de se suicidar. Porém, Balkan não tem certeza que a sua seja autêntica, assim Corso seria regiamente pago para ir até a Portugal e França, onde estão as outras duas cópias e determinar qual é a verdadeira. Corso, que não acredita no diabo e sim em dinheiro, aceita o trabalho. Inicialmente Corso visita Liana Telfer (Lena Olin), a viúva de Andrew, que demonstra um desejo quase ensandecido de ter o livro de volta (ela não sabia da venda). Logo Bernie (James Russo), um amigo de Corso, aparece morto e seu corpo estava como uma das gravuras do livro. Mas esta seria apenas a primeira de algumas mortes misteriosas, que Corso presenciaria. Tendo em seu poder o livro, para poder comparar com as outras cópias, Corso descobre que está no meio de uma estranha trama na qual há uma loira misteriosa sempre surgirá no seu caminho para protegê-lo.
O ÓLEO DE LORENZO
Titulo original: (Lorenzo's Oil)
Lançamento: 1992 (EUA) direção: George Miller
Atores: Susan Sarandon , Nick Nolte , Peter Ustinov , Kathleen Wilhoite , Gerry Bamman
Duração: 135 min
Gênero: Drama

Sinopse: Um garoto levava uma vida normal até que, quando tinha seis anos, estranhas coisas aconteceram, pois ele passou a ter diversos problemas de ordem mental que foram diagnosticados como ALD, uma doença extremamente rara que provoca uma incurável degeneração no cérebro, levando o paciente à morte em no máximo dois anos. Os pais do menino ficam frustrados com o fracasso dos médicos e a falta de medicamento para uma doença desta natureza. Assim, começam a estudar (numa Biblioteca) e a pesquisar sozinho, na esperança de descobrir algo que possa deter o avanço da doença.


UM SONHO DE LIBERDADE
Titulo original: (The Shawshank Redemption)
Lançamento: 1994 (EUA)
Direção: Frank Darabont
Atores: Tim Robbins , Morgan Freeman , Bob Gunton , William Sadler , Clancy Brown
Duração: 142 min
Gênero: Drama




Sinopse: Em 1946, Andy Dufresne (Tim Robbins), um jovem e bem sucedido banqueiro, tem a sua vida radicalmente modificada quando mandado para uma penitenciária para cumprir prisão perpétua por ter assassinado sua mulher e o amante dela. No presídio se torna responsável pela Biblioteca, faz amizade com Ellis Boyd Redding (Morgan Freeman), um prisioneiro que cumpre pena há 20 anos e controla o mercado negro do presídio.
Aguardo suas sugestões de filmes. Até a próxima.

domingo, 29 de novembro de 2009

Participação com apresentação de três artigos no II SEMINARIO LATINO AMERICANO Y CARIBEÑO DE LOS SERVICIOS BIBLIOTECARIOS PARA CIEGOS Y DEBILES





























Depois que voltei de João Pessoa foi que a ficha caiu. Quanta emoção ter o privilégio de representar a minha Universidade Federal do Ceará - Cariri apresentando três artigos no II Seminário Latino Americano y Caribeño para Ciegos e Debiles Visuales que aconteceu ao mesmo tempo com o VI Senabraille - Seminário Nacional de Biblioteca Braille. Ufa!! Maravilhoso! Um agradecimento a orientadora profa. Patrícia Silva e David Vernon. Eis os artigos: O acesso à informação para pessoas com deficiência auditiva e visual na biblioteca do Senac Crato (CE); A construção do acervo braille no Brasil; A deficiência visual e a acessibilidade à Web: estudo de caso. Vai um grande abraço a Bibliotecária Deise Tallarico Pupo do LAB (Laboratório de Acessibilidade da Unicamp); ao Bibliotecário Josenildo Costa da Biblioteca Central da UFPB (o primeiro biliotecário cego que conheci); Ana Lúcia da ACEC (Associação de Cegos do Ceará) que reencontrei em João Pessoa; ao prof. José Francisco de Souza do IBC (Instituto Benjamin Constant). Outro abração a profa. Marília que coordenou os eventos.





sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Doação de acervo para UFC Cariri

O campus da Universidade Federal no Cariri recebeu uma valioso acervo que vai ser utilizado como fonte de pesquisa de alunos e professores.
http://jangadeiroonline.com.br/video/doacao-de-acervo-para-ufc-cariri/

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Exposição Formas Invisíveis: ação extensiva de uma Biblioteca

No escuro, os visitantes são guiados por deficientes visuais
02/11/09

Na Casa Cor de Fortaleza, uma exposição chamou atenção para os deficientes visuais. Um espaço mostrou a capacidade que eles tem de enfrentar as dificuldades. Mas o desafio não foi vivido por eles, foi por quem não tem problemas de visão. Confira mais informações no vídeo ao lado.
http://tvverdesmares.com.br/bomdiaceara/exposicao-desperta-sentidos/

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

CASA COR: UM PASSEIO PELOS SENTIDOS

As 15 peças que compõem a mostra foram confeccionadas por artistas que vivem na região do Cariri

Rosa Sá
rosa@opovo.com.br
28 Out 2009 - 01h12min
Descubra a importância dos sentidos para a percepção do mundo. O chamado é da exposição de artes plásticas e artesanato Formas Invisíveis: Um Mergulho nos Sentidos, que o Serviço Nacional do Comércio (Senac), unidade do Crato, levou ontem ao espaço nobre da Casa Cor.

A proposta da mostra, que ficou aberta das 16 às 22 horas, consistia em levar as pessoas para visitar as 15 peças expostas apenas sentindo seus diferentes formatos e materiais. Por isso, cada visitante que chegava tinha os olhos vendados e era guiado por entre as obras confeccionadas em madeira, argila, sisal, cabaças e buchas por rapazes portadores de deficiência visual.

A aposentada Zuila Dias, 57, e a economista Leya Spada, 32, respectivamente tia e sobrinha, fizeram a experiência. Leya saiu dizendo que achou sensacional tentar reconhecer os objetos apenas com o tato, porém teve receio de topar ou derrubar alguma coisa, o que a fez refletir sobre dificuldades que os deficientes visuais enfrentam no dia-a-dia. Zuila, por sua vez, disse não ter sido difícil identificar as formas e os materiais, mas se sentiu insegura ao ser conduzida por alguém sem visão em um ambiente escuro e desconhecido.

Conforme Cícero Carlos Oliveira Silva, curador da mostra e articulador do programa Deficiência e Competência do Senac no Crato, a iniciativa visa incentivar a inserção dos deficientes no mercado de trabalho, mostrando do que são capazes. Ontem, quatro rapazes cegos foram convidados a participar da iniciativa recebendo uma gratificação pela prestação do serviço. O projeto já foi apresentado no Crato, Juazeiro do Norte e Brejo Santo. Todos os trabalhos são de artistas do Cariri.
http://www.noolhar.com/opovo/fortaleza/922967.html

Acessibilidade: pessoas com deficiência visual são guias na exposição Formas Invisíveis


Quem foi que disse que para ver é preciso enxergar? Na exposição "Formas Invisíveis, um mergulho nos sentidos", que ocorreu ontem, na Casa Cor Ceará 2009. Os visitantes puderam ter uma experiência que comprova o contrário. Com os olhos vendados e os pés descalços, e guiados por deficientes visuais, os participantes perceberam que basta apenas ouvir e tocar para poder sentir verdadeiramente as coisas ali expostas.

Em vez de apreciar as cores e as formas de uma maneira visual, a ordem era tocar, cheirar e escutar, puxar na memória as formas que lá estão guardadas, e assim viajar no universo dos sentidos. As peças feitas dos mais diversos materiais eram, aos poucos, reveladas. Umas em irmãs siamesas feitas de madeira, outras em jogos de chá de argila, algumas em serpentes de sisal e papel.

A jornalista Fernanda Aires, no começo, sentiu um certo estranhamento, mas depois relaxou e achou a iniciativa bastante significante. "Pude ter a noção, durante o tempo da visita, de como é descobrir as formas e belezas dos objetos sem vê-los".

O massoterapeuta Francinaldo dos Santos, 35 anos, era um dos guias da exposição. Cego há dois anos, perdeu a visão devido ao glaucoma. Ele conta que essa iniciativa promove a inserção dos deficientes físicos na sociedade e dá a oportunidade de as pessoas perceberem que, muitas vezes, o homem é o que ele sente. "Mostramos para o grande público que as mãos também podem ler e fazer sentir", disse.

Um dos coordenadores da mostra, Cícero Carlos Oliveira da Silva, explicou que a exposição está em sua quinta edição e que, desde 2005, ela busca a valorização dos deficientes.

http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=684524

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Biblioteca e a Pessoa com Mobilidade Reduzida

















Como você reagiria se fosse privado de entrar em algum local? Vamos abordar aqui o direito de ir e vir no ambiente construído, neste caso a Biblioteca. Um dos obstáculos que mais atrapalham são as escadas e a falta de rampas para acesso direto ao local desejado. Na charge torna-se inviável entrada da jovem na Biblioteca, porque não foi aplicada a norma da ABNT 9050 de 2004 que trata da acessibilidade. Que nós possamos refletir e nos posicionar quando encontrarmos um local sem livre acesso.

sábado, 17 de outubro de 2009

II Seminário Latino Americano e Caribeño de los Servicios Bibliotecarios para Ciegos y Debiles Visuales e VI SENABRAILLE. João Pessoa - 20 a 23 nov



Confira as informações do evento super-importante para as Bibliotecas que possuem atendimento direcionados às pessoas com deficiência visual e disponibilizam acervo em braille. http://www.sbcdv2009.com/

Valorizando as Pessoas com Deficiência



Pessoas com deficiência são lembradas mais uma vez. Em reportagem ao vivo realizada no dia 16/10 por Paulo Ernesto, para o Bom Dia Ceará da TV Verdes Mares Cariri, filial da Globo. Articulador do Programa Deficiência e Competência do Crato (Carlos) menciona as ações inclusivas. Confira a matéria:

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Biblioteca Nacional - PARTE I


Como aluno do Curso de Biblioteconomia, era meu desejo um dia, conhecer a Biblioteca Nacional situada no Rio de Janeiro que guarda a memória de meu país. Fui apresentar um artigo no XXXII ENEBDRIO onde tive o prazer de ir até a BN duas vezes. Dia 10 de julho ao entrar no rol me deparei com aproximadamente 40 alunos da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação de São Paulo. Como eu não tinha agendado a visita fui barrado imediatamente. "Volte ao meio dia e poderá ter acesso!" disse o atendente. Pensei cá com os meus botões: vou entrar é agora. Imediatamente me fiz conhecer pela professora, que agora não lembro o nome, e pedi que desse um sorriso e solicitasse a minha inclusão com a turma paulista, dito e feito, a Dio, como disse ser chamada, aluna da Biblioteconomia, muito gentil guardou minha bolsa no seu espaço do guarda volumes. O guia Dario, bem humorado nos apresentou detalhadamente da 10h até aproximadamente 17h todos os espaços da Biblioteca. Começamos pela entrada onde as portas, corremãos, vidraças tudo proveniente da europa. O cheiro forte de naftalina nos dava as boas vindas num corredor apertado. Passamos pelo centro de digitalização, ambiente escuro, onde milhares de imagens são capturadas várias vezes para guardar a memória de obras que poderão ser perdidas pelo tempo, conhecemos o Núcleo de Qualidade, Setor de Pesquisa e Preparo de músicas, jornais e filmes, lá encontrei estagiários da UNIRIO e temporários que prestam serviços. Aprendi como a sinalética (informações de cada obra) ajuda na preparação da microfilmagem. Um jovem reorganiza as páginas de um livro de 1530 escrito em grego, ele veste luvas de algodão. Depois de ver películas e mais películas sendo microfilmadas conheci o Centro de Conservação e Restauração, aqui tenho muitas coisa para partilhar, mas fica para um outro momento.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Artigo é publicado em livro do IV SEPRONe 2009


Quero dividir mais uma vitória com vocês. A Biblioteconomia abriu minha mente para a interdisciplinaridade e me fez produzir mais um trabalho voltado à inclusão, e este foi um dos temas escolhidos no IV Simpósio de Engenharia de Produção da Região Nordeste - Interatividade na Engenharia de Produção. Escrevi um artigo (com orientação do prof. Dimas) com o título: Sensibilização na UFC Campus Cariri: refletindo sobre acessibilidade e ergonomia no ambiente construído, para pessoas com deficiência visual, por meio das técnicas de orientação e mobilidade. Graças ao meu Deus fiel, que me honrou, o artigo foi publicado no livro "Interação da Engenharia de Produção na busca da Competitividade". Foto: prof. Sérgio coord. da apresentação do SEPRONe na UFC Pici e eu.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

videoInteressante vídeo com Tim O'Reilly, nada menos do que o co-fundador da O'Reilly Media (empresa de mídia dos Estados Unidos). Ele define o que é WEB 2.0 rapidamente. O vídeo está legendado em português. A partir de disciplina de TI - Tecnologia da Informação, comecei a perceber como a WEB 2.0 permite adentrar nas "novas maneiras de pensar e de conviver" como diz o Pierre Lévy, através do mundo da informática. O Tim O'Reilly é irlandês. Um entusiasta ao software livre. É considerado o criador da expressão WEB 2.0. Estudou filologia clássica e passou a se dedicar no campo de manuais de computação, aí deu no que deu, um dos mais reconhecidos na área de tecnologia.

Léo - Elionardo do Nascimento - Artista Plástico Cratense seu envolvimento com a Biblioteca.


Léo tem uma história com a Biblioteca há muito tempo. Foi em uma que aprendeu a ler e escrever braille. Faz esculturas em argila, participou de exposições coletivas e uma individual. Representou o Crato duas vezes em Fortaleza e Salvador. A cegueira não é problema para externar sua emoções transformando barro em obras de arte. Hoje os bezerros estão na Suiça. Contato: (88) 8806 1772

Dica de Leitura com a Fisioterapeuta Maria Augusta da Franca Brito. Instrutora do Curso de Capacitação em Massagista do SENAC Crato/CE.





Composto por estudos detalhados acerca dos resultados da massagem terapêutica sobre os principais sistemas orgânicos; com avaliações de cada região corporal antes da massagem, incluindo diretrizes para o exame de sintomas e sinais patológicos; apresenta técnicas aplicadas de massagem para problemas comuns de saúde e sua utilização em tratamentos convencionais ou complementares; dá ênfase às contra-indicações da massagem, salientando a necessidade de um tratamento efetivo e seguro; com ilustrações adicionais demostrando técnicas de postura correta para os profissionais, e ilustrações sobre técnicas siplementares para o paciente fisicamente debilitado.

Manual de Massagem Terapêutica de Mario-Paul Cassar - pretende estimular e instruir todos os profissionais e estudantes, oferecendo uma instrução abangente à massagem terapêutica a apresentando informações teóricas baseadas na experiência clínica e em materiais de pesquisas.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

ALUNOS DO II SEMESTRE DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UFC CARIRI VISITAM A FUNDAÇÃO CASA GRANDE

Dia 17/08 fomos a convite da profa. Ariluci da disciplina de Editoração, conhecer a Fundação Casa Grande em Nova Olinda, uma vez que produzem materiais pelos próprios jovens da Casa. Casa Grande Editora funciona como um laboratório onde capacita crianças e jovens nas áreas de arte sequencial, desenho gráfico, produção de material promocional e jornal. A visita monitorada é feita pelas próprias crianças que apresentam também os outros espaços da cas. Ela conta com Biblioteca, Gibiteca, Videoteca, Museu, Rádio comunitária e TV. http://www.fundacaocasagrande.org/

terça-feira, 18 de agosto de 2009

BIBLIOTECA, SURDOS E LIBRAS



















Sônia Sales Nepomuceno é usuária de Bibliotecas, cursa Serviço Social. Para ela a Bibioteca tem um papel de suma importância no aprendizado da pessoa surda como para qualquer outra pessoa. Na comunicação é necessário que o atendente saiba LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais e não só saber o alfabeto ou usar apenas a escrita num papel. Ela também é professora de LIBRAS para surdos ou ouvintes. O Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 regulamenta a Lei 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais passando o Brasil a ser um país bilingue. A grade curricular do Curso de Biblioteconomia precisa acrescentar a Libras, uma vez que como futuros Bibliotecários precisamos disseminar a informação para TODOS. Cícero Wagner também gosta de fraquentar Biblioteca não só para pesquisar, mas conversar com os amigos e com atendente que sabe LIBRAS na Biblioteca do Senac Crato. soniasalesurda@hotmail.com



segunda-feira, 17 de agosto de 2009

"UMA FLOR DE DAMA"

O Sesc promoveu dia 15/08 o espetáculo inspirado no conto de Caio Fernando Abreu. Monólogo encenado pelo ator Silvero Pereira. Apresenta de forma clara a vida de um Travesti/Transformista. Fomos convidados pela profa. Fanka do curso de Biblioteconomia, para percebermos como um mundo da comunicação está interligado com a Biblioteconomia, assim sendo o espetáculo foi sugerido para ser inserido no contexto da disciplina que trata de Comunicação. Quanto ao espetáculo, chamou atenção o fato da provocação no início do drama. O personagem encara a platéia sem falar uma só palavra por vários minutos. As cenas retratam o abuso sexual infantil, a exclusão social, a rejeição paterna, a ânsia de querer participar da "roda", mencionada inúmeras vezes. O personagem quer ser ouvido, participar da vida comum, das ações sociais, mas não ver alternativas para se inserir e mergulha nas drogas. No final Silvero pediu que divulgássemos a peça que é um ato de respeito ao ser humano.

sábado, 15 de agosto de 2009

Fotos de Jaquelina Rolim. A "caçadora de imagens" colaboradora do Blog.

"Com o privilégio dado por DEUS de ter visão subnormal e não ser totalmente cega, achei que podia ser também uma caçadora de imagens... fotografar momentos do dia-a-dia foi um desafio inspirado na vida de Evgen Bavcar um fotógrafo "totalmente cego". Ao ler seu livro ele me levou a crer que as dificuldades podem ser superadas de acordo com as adaptações". Jaquelina Rolim.



SISTEMA DE ESCRITA BRAILLE

As pessoas cegas ou com visão subnormal utilizam o braille para ter acesso à leitura. A Biblioteca Inclusiva deve ter essa preocupação, inserir em seu contexto os livros em braille e falados (gravados em MP3, por exemplo) e livros digitalizados. Para saber mais visite o site do Instituto Benjamin Constant: www.ibc.gov.br

Língua Brasileira de Sinais


Língua Brasileira de Sinais - Configuração de mãos. Sou usuário da Libras o que facilitou o atendimento para a comunidade surda na Biblioteca. Coloque-se na situação deles. Imagine que você precisa recuperar uma informação que está super fácil de encontrar, mas o atendente fala outra "língua". Já pensou? Para saber mais: http://www.ines.gov.br/

sábado, 8 de agosto de 2009

Por quê Biblioteca Inclusiva?

Boa parte das pessoas com deficiência, grávidas e idosas nem sempre podem ter acesso à Biblioteca, seja por falta de adaptação, elevador, rampas ou mesmo pelo fato dos funcionários não dominarem a Língua de Sinais. Pensando nisso, este Blog, tem como missão, disseminar a Inclusão na Biblioteconomia.